How BJJ Has Helped Me.

 

 

I have been practicing the art of goal-setting since I got back on the mats. Thirteen years ago a friend invited me to check out his Brazilian Jiu-Jitsu academy. My friend became my sensei and I got hooked in the gentle art. Then, a severe back injury and two family tragedies forced me out of the mats. I never thought I’d be able to roll again. 

I finally felt ready emotionally and physically to get back on the mats. After much prayer and reflection I decided to visit Gracie Humaita in La Mesa, CA. I met my new sensei (who has become a really good friend) last August. With his encouragement and, primarily, divine enablement, I decided to give it another try. It was a total of seven years away from the art. I probably would have been at least a brown belt by now, but I do not regret my time off. The primary reason is that I learned to set and manage my goals, something I have been using not only in my BJJ game, but in other areas of my life. 

My first objective, when I stepped into a dojo again last August was simply to not get hurt. It was agonizing to see the inversions and berimbolos of my teammates. With a ruptured disk in my spine I quickly decided to defend my guard the old way. 

My second goal was to get back in shape. I am now in my mid-thirties, and for virtually seven years I did nothing to prevent the extra pounds. It’s been great to see them shed. 

My third goal was to adapt my game to a new reality (adaptation is a fundamental of BJJ). So far I have been able to incorporate “smash and pass.” This was not my strength before my injury. 

My fourth goal is to maintain consistency. Since competition is out of the question (at least for now) I can focus on the self-defense aspect of the game and maintain regularity in training.

My final goal is progress at my own pace. I used to think that if I didn’t get a belt promotion in a year something was wrong with me. Not anymore. I learned to never measure myself against the progress of others.

Dusting off that old Gi really paid off. I have been more disciplined in other areas of my life, too. I also found that I have been able to reach my personal and professional goals, one task at a time. 

Learning proper goal-setting was one of the benefits I got from BJJ. How has BJJ helped you? 

Always Faithful, Part I

Always Faithful, Part I

 ImageAmerican military history fascinates me. The invasion of Iowa Jima in 1945 was a turning point in the war in the Pacific. Besides the air assault and pre-invasion naval bombardment, on Feb 19 of that year, Marines from the 4th and 5th division landed on the beaches of the remote island. The Americans knew their mission very well: Put to practice the amphibious landing for which they had trained, storm the area and secure the air strip; all under fire from Japanese armies hidden in underground caves.

The Marines knew that during their mission many would fall, but they had vowed to be always faithful, or Semper Fidelis, their motto until this day. Were it not for the faithfulness of these men, we would live in a very different society today, I am convinced. What a great example to us believers; we are to be Always Faithful

Here’s the story of a man who was not always faithful.  

The book of Jonah is an autobiography, written in third person (not uncommon in the Old Testament). The author is not a mythological figure, like some critics of the Bible like to affirm. Jonah was a prophet during the time of Jeroboam II (2 Kings 14:25), a fact confirmed by Jesus himself (Matt. 12:39). 

Jonah’s purpose for writing his autobiography is to address a nation in spiritual decay and under a leadership crisis during the monarchy. Spiritual instability was the natural outcome of the bad influence of wicked kings. The invasion of the Northern Kingdom (Israel) by Assyria is future during the composition of the book, but later captives (the original readers of Jonah) would be encouraged to learn that God is sovereign even in times of calamity.

Even though Jonah is far from being the hero of the story, we must recognize his humility in recording his shortcomings. Everybody else in the book obeys God (the storm, the fish, the plant in chapter four, the sailors, and even the Ninevites). The very one called for a lifetime of obedience struggles with submission to God.  

The book of Jonah is not about the big fish, but about the big God, who controls nature and is compassionate even towards wicked people. He is not willing that any should perish.

The author starts by saying that the Word of the Lord came to Jonah. Could this be an example of Christophany? Coming and saying are attributes of a person. Whether or not this was an appearance of the pre-incarnate Christ, the message was clear enough; so much so that the prophet reacted negatively.

God gives Jonah a mission: The commissioning of the prophet includes three imperatives. His mission is clear: arise, go and preach. Like a soldier receiving his briefing, Jonah receives his marching orders.         

Can you feel the tension rising? Jonah is thinking: “Lord, this is not the proper way of Gentile outreach. Remember, you told us to stay in the land and obey” (Isaiah 42:6). No one else in the Old Testament is specifically told to go to a foreign land. Daniel and Esther are examples of “forced” missions in a distant country. Jonah does not want to go. He could argue he could serve the Lord in the comfort of his own country. Ministry was needed there, too.        

God gives Jonah a message: The prophet was to utter a message of condemnation in Nineveh. The Ninevites were Assyrians, known for their brutality. POWs were normally tortured and their heads impaled in spears and given to the children of the conquered army to parade around the city. Jonah knew that they would not do any differently with him. Isn’t that how we feel about the mission field sometimes, even in our own backyard? We know we need to share the Gospel, but for some reason we think that we’ll be eaten alive by the sinner.

Jonah is already thinking of ways to get out of his duty. God tells Jonah that it is time for the Ninevites to settle accounts with their Creator, and guess what Jonah: YOU are going to deliver the news.

The prophet was on ambassador duty. Ambassadors are not to change the message or “water it down” so as to not offend the hearers. This was no time for a conversation, but for declaration. It was a short message (see Jonah 3:4). 

As a believer, what messages are we to carry? 

photo credit: WilliamMarlow via photopin cc

Sou Filho da Tia Beatriz

Image

Deus me deu três mães. A natural me trouxe ao mundo e me ensinou a nobreza do trabalho e a dedicação.  A segunda me apresentou às virtudes da união familiar. Mas a tia Beatriz me trouxe mais perto de Deus. Me ensinou a amar a Jesus e a sacrificar como Ele. Me exortou a lutar de joelhos, buscando sempre, em oração, a vontade e o consolo do Pai. Orou comigo pela conversão da minha mãe e celebrou quando obtivemos essa resposta, anos mais tarde.

Tia Beatriz  estava ao meu lado quando a Julia nasceu. Chorou comigo no enterro da Luana e cuidou das minhas feridas no falecimento do Victor.

Tia Beatriz estava comigo quando prestei o exame vestibular. Quando fui morar fora do Brasil, veio me visitar. Várias vezes me aconselhou pelo telefone e email. Leu (e corrigiu) atentamente meus estudos bíblicos e sermões.

Segui a tia Beatriz no amor pela leitura, missões, teologia e piadas inocentes. Derramamos lágrimas por pessoas que não conhecem a Jesus e por nações fechadas ao evangelho.  Amamos a igreja e hinos antigos, tradicionais. Defendemos a pregação expositiva e admiramos os heróis da fé, como Calvino, Lutero, Spurgeon, Russell  Shedd e “tio” Ary Velloso.

Tia Beatriz me presenteou com a Denise. Me deu uma esposa virtuosa, preparou para mim uma mulher de integridade, temente a Deus, que mesmo depois de tanta dor continua sorrindo, servindo, encorajando e contagiando as pessoas com a alegria do Senhor.

Tia Beatriz me acolheu como filho. Recebeu em sua família de braços e coração abertos um adolescente confuso com a vida, cheio de questionamentos. Nunca me tratou como alguém de fora; abriu a sua casa (a cozinha principalmente) para um garoto que um dia seria genro.

Oro para que Deus mantenha a tia Beatriz no mundo por muitos anos. Me chamem de egoísta, mas precisamos de mais “tias Beatrizes”: guerreiras de oração, evangelistas, companheiras e acolhedoras.

Sonho em continuar ganhando vidas para Cristo sob a sua cobertura intercessora. Sonho em ministrar com o seu encorajamento e a viver com o seu exemplo.

Beatriz é mais mãe do que tia. Sou abençoado. Sou filho de três mães. Sou filho da tia Beatriz.

The Dividends of Diligent Prayer

Prayer

A friend recently asked me about the doctrine of rewards. Her curiosity was regarding the nature and timing of the divine retribution mentioned in a few Bible passages. Rather than giving in to my temptation to offer a premature explanation, I chose to investigate the link between diligent prayer and the hope of rewards; what I discovered was that the faithful prayer partner should expect double blessings – rewards now and later.

Believers are commanded to pray (see Matt. 7:7 and 1 Thess. 5:17). Our desire to obey and follow the example of our Lord and the apostles (John 17, Acts 6:4) can be supplemented by the hope of rewards. Scripture seems to teach that the committed prayer warrior enjoys present (though not necessarily immediate) and future divine recompense.

In a section of the Sermon on the Mount, Jesus contrasts two responses to the discipline of prayer. Men, who can only see outwardly expressions of religiosity, will grant their rewards to approved candidates according to human standards. The Master does not tell us what these rewards are, only that they are in full (Matt. 6:5). The Father, on the other hand, sees the heart and responds to faithful prayer with presumably different recompenses; but again, we are not told what they are. Christ, in his infinite wisdom simply left the promise that a faithful prayer life will yield special dividends (Matt. 6:6).

Although Matthew 6:5-6 is silent as to the nature of the divine award, should we not consider the ever-timely answers from God (whether positive or negative) far better than any standing ovation from men? If drawing near through prayer is highly encouraged (Heb. 4:16), why not conclude that mercy and grace in time of need are instant bonuses from the Rewarder of those who seek Him (Heb. 11:6).

The hope of future rewards is another motivator for the prayer warrior. Every believer is scheduled to appear before the Judgment Seat of Christ (2 Cor. 5:10). Our works will be tested and rewarded accordingly. That means that every second on our knees is registered in heaven. Every intercession made on behalf of our various ministries here at Shadow Mountain is recorded by Jesus. Your faithfulness, though not always public, is observed by the One who sees what is done in secret (Matt. 6:6), and He will make certain that The Son Himself personally hands out heavenly accolades (Rev. 22:12).

Question: Have you considered what rewards await you, who are a faithful prayer warrior?  

photo credit: Lel4nd via photopin cc

Voltar a Caminhar

Image

Outro dia fui ajudar a minha mãe a buscar uma de suas pacientes no hospital. A senhora, que chamaremos de “Silvia”, havia passado por uma cirurgia no joelho devido a problemas ósseos causados pela sua grave deficiência mental. Silvia é extremamente dependente, e necessita de cuidados especiais diários, embora saiba se comunicar. A cirurgia a capacitaria a andar com menos dificuldade trazendo, supostamente, uma certa independência. Caminhar sem assistência seria uma experiência nova para essa mulher.

Convencê-la de que o procedimento seria benéfico não foi o problema. Os dias após a operação, entretanto, trouxeram desafios. Ao se deparar com sua condição – os pontos no joelho e a total dependência das enfermeiras – Silvia entrou em depressão, e determinou em seu coração que seria inválida para o resto da vida. Essa senhora recusou-se a reconhecer que sua condição era temporária, e que em poucos dias estaria andando novamente. No segundo dia após a cirurgia, Silvia insistiu que precisava de ajuda até para levar o garfo à boca! Minha mãe assumiria a árdua tarefa de trazer esperança a esse coração pré-programado a apatia!

O dia em que Silvia teve alta do hospital foi marcante…creio que Deus nos ensinou uma tremenda lição. Logo de manhã, Silvia decidiu crer que não conseguiria sair da cadeira de rodas e entrar no carro, apesar da instrução do médico. A recuperação só ocorreria à medida que a paciente caminhasse; ou seja, caminhar novamente dependeria de uma mudança de atitude. Silvia estava clinicamente pronta para voltar a andar, mas emocionalmente e espiritualmente estava condicionada àquilo que determinara em seu coração após a operação. Depois de muita insistência conseguimos convencê-la a tentar. A ansiedade daquela mulher era visível em seu semblante. A esperança de total recuperação já não fazia diferença, pois o medo de cair era quase incontrolável.

Ao ver o carro, Silvia entrou em pânico e começou a dizer: “não sou capaz, não sou capaz”. Ofereci a minha mão, prometi que não a deixaria cair, mas ela insistia que não era capaz. A paciente (já não tão paciente) só concordou em sair da cadeira de rodas contanto que três pessoas a segurassem. Com muito choro seguidos de vários gritos: “não sou capaz” Silvia se levantou e cuidadosamente acomodou-se no carro. Enorme progresso! O próximo passo seria convencê-la a praticar os exercícios em casa.

Essa experiência me fez refletir muito: Será que temos a mesma tendência de nossa amiga? Deus constantemente opera “cirurgias espirituais”, e em todos os casos, o objetivo é corrigir nossos passos. Quando Ele começa a operar e sentimos as primeiras dores começamos a reclamar e desistimos do “procedimento”. Muito me entristece ver pessoas pré-determinadas à condição de inválidas espirituais – homens e mulheres que programam sua mente à derrota afirmando que são incapazes de serem bons maridos, pais mais presentes, e etc; ou mulheres que determinam que nunca terão um casamento harmonioso, ou um relacionamento saudável com a família… antes mesmo de tentar!!!

Ah, se todos nós dedicássemos mais tempo à leitura da Biblia! Na Palavra de Deus descobrimos que a boa obra divina ainda não terminou (Filipenses 1:6). Também descobrimos que com Ele, podemos voltar a caminhar sem mancar! (Filipenses 4:13); e felizmente, descobrimos que uma renovação intelectual é essencial para que possamos experimentar a boa e agradável vontade de Deus (Romanos 12:2).

Querido amigo(a) saiba que Deus está perto, pronto para te segurar em caso de tropeço logo após uma experiência dolorosa. Talvez a última “operação” não tenha sido agradável, e voltar a caminhar tem causado ansiedade. Sugiro que aprendamos com aquele que passou por várias experiências dolorosas. Cristo foi rejeitado pelo seu povo, traído por um de seus discípulos, e abandonado por um de seus melhores amigos. Porém, a sua maior dor foi na cruz. Lá ele sentiu o peso dos pecados da humanidade. Os pregos perfurando a sua pele causaram sofrimento indescritível, mas imagino que a maior aflição do nosso Salvador foi a separação temporária do Pai. Sua angústia está registrada em Mateus 27:46 e Marcos 15:34: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Em pensar que foi por nós que ele passou por essa dor!! O Pai precisou, temporariamente, desamparar a Filho para não nos desamparar eternamente. Jesus foi posto num sepulcro e no terceiro dia ressurgiu; saiu da tumba caminhando. A sua especialidade hoje é ensinar os outros a voltar a viver…viver para sempre!

Pode tentar viver sem medo, amigo(a). VOCÊ É CAPAZ…o teu Deus te capacita. Lembre-se que: Confirmados pelo Senhor são os passos do homem em cujo caminho ele se deleita; ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor lhe segura a mão (Salmos 37:23-24).

Silvia voltou a andar; voltou também a sorrir.

Você está passando por uma “cirurgia espiritual”? O que Deus está te ensinando?

photo credit: <a href=”http://www.flickr.com/photos/dlemieux/4259107574/”>dlemieux</a> via <a href=”http://photopin.com”>photopin</a> <a href=”http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.0/”>cc</a&gt

When Goodbye Doesn’t Make Sense

Baby

Mr. Rosa, take your time, we don’t have to unplug the machine until you’re ready. I will never forget these words.

The next thing I remember was a warm embrace from a kindhearted fellow, whose name I never asked. With my face buried on his shoulder, all I could see was the stream of my own tears flooding the floor. Lost in my own grief, I failed to notice that someone else needed a compassionate hug. I reached for my wife and brought her close. For minutes all we did was cry out for strength; the seemingly impossible task was at hand: It was time to release our one and only son to the loving arms of God.

Luana, my little girl, spent her entire life in my arms. For twenty minutes, from birth to death, she heard daddy whisper in her tiny ears, I’ll see you in Heaven. A lethal syndrome made life outside the womb impossible for my little girl. Two years later, the unthinkable took place: several problems caused by a few congenital heart defects proved fatal for my boy. His name, Victor, was a sweet reminder of the death-conquering sacrifice at Calvary.

I Don’t Understand!

I should have known better than to argue with the One who gives and takes away. After all, children are a gift of the Lord (Psalms 127:3). Passages like this were such a great comfort when little Victor’s heart failed him.

His condition only worsened during his thirteen months of life, resulting in a fatal stroke. Once again, I found myself in disagreement with the Creator of life. The night before that dreadful day, I gave in to my temptation to demand an explanation. While I questioned the divine plans, inferring that God had made a mistake, a sob emanated from the kids’ room. It was a grieving mother pouring her heart out to the God of all comfort.

My wife’s tone, contrary to mine, was that of surrender to the will of the Father. Her words were inaudible to me, but I didn’t want to interrupt or join her. I simply waited by the door. The weeping got louder and I finally heard, God, I am laying my Isaac down, I trust your unfailing love. How could I do the same? I had already laid my daughter down; I was not prepared to suffer through the loss of my son.

The phone rang, interrupting a solitary night. It was time to say another goodbye; Victor is already brain-dead, we were told. Emotional pain became physical pain as the weight of such a tragedy lay heavy on my shoulders. How was I to explain to my firstborn, Julia, that baby brother was not coming home? Once again, I would have to endure the funeral of my own child. Would I ever recover?

Treasure in the Midst of Trials

I don’t know if one ever recovers from the loss of two children, but I finally followed the example of my wife. I found treasure in the midst of my trials.

Before Victor’s conception, I had resolved to pray regularly for compassion. I wanted to have the divine perspective on people who face eternity without Christ. Experiencing such a degree of sorrow, of course, was not in my prayer list. But if the truth of Ephesians 3:20 that God is able to do far more abundantly beyond all that we ask or think was to apply to my life, a tested faith was the natural result of my petitions.

The Ultimate Blessing

My belief in the sufficiency of the Scriptures kept me from doubting God’s timely answer. It came after the funeral.

It occurred to me, as I was sorting my son’s pictures for a memorial box, that our separation is only temporary. The truth about instant Heaven for dead infants is the topic for another tract. But how does God feel about the eternal and irreversible gulf that separates Him from those who die in unbelief?

The Lord, in his infinite wisdom and love, put me through the pain of separation so I could better announce the blessing of reconciliation between God and man. I now make a living teaching others to share the Savior. Pay dirt!

The Bible says we are separated from God because of sin (Romans 6:23). The Cross of Christ bridges that gap. Jesus, the God-man, lived on earth, died, was buried, and rose again. Everlasting life and reconciliation are available for whoever believes in Him (John 3:16).

You, too, can find treasure in the midst of your trials. Perhaps God is preparing you for a new area of ministry. Have you also considered that your adversity may be an answer to prayers? If you have never repented and placed your trust in Christ, gold can be found today. Believe that Jesus, the Son of God, died for your sins to give you eternal life. You will live forever in a place where separation, suffering, and sorrow will be no more.

Do you think God is using your trial to draw you closer to Him?

photo credit: limaoscarjuliet via photopin cc

The Season of Resolutions

Writing
Resolved, to ask myself at the end of every day, week, month, and year, wherein I could possibly in any respect have done better.

The inspiring words were penned by the Puritan Pastor in colonial America. Famed for his role in the Great Awakening, Jonathan Edwards is also known for his resolutions, drafted shortly before his twentieth birthday. Biographers tell us that what prompted the young Edwards to articulate his desire for godliness was a need for answered prayer. The Puritan was divided over serving God as a professor or answering the sacred call as a pastor.
It is the season for resolutions in post-colonial America, too. The New Year is here, bringing with it the uncertainties of last year. The need for godly living in an increasing secular culture calls for a revival of the eighteenth-century common practice of resolution-writing.
Resolved, with due diligence and discipline, to know the heart of my Savior that I might faithfully proclaim Him. This one is mine. I do not presume to have the intellectual and spiritual might of Edwards, but I do wish to imitate the man as he was an imitator of Christ (1 Cor. 11:1). My first resolution this year is to know the heart of my Redeemer better than last year.
What better place to start than the seventeenth chapter of John? The gospel writer invites his readers to witness a sacred moment in history when God the Son pours out his heart to God the Father, hours before the crucifixion. There, Jesus utters what is known as “the high priestly prayer” at the end of his earthly ministry. John, presumably within earshot, records a preview of the current intercessory ministry of Jesus, a concept upon which the author of Hebrews later expands.
The hour of trial had come (John 17:1). Christ was about to bear the sins of humanity. Resolved to bring eternal life to undeserving sinners (John 17:2) Christ anticipated the completion of his redeeming work (John 17:4). Our precious Savior did not ask for deliverance; his heart was set upon finishing his mission. After interceding for current and future disciples he willingly proceeded to lay down his life.
Space limitation prevents a full extraction of all the riches of this text, but it is evident that John, under divine inspiration, wants his readers to know the heart of the God- man. Jesus’ unwavering commitment to glorify the Father is on display. Although the content of the prayer is not to be duplicated by believers (mutual divine glory belongs exclusively to the members of the Trinity), the prayerfulness of Christ should be perpetuated.
Do you still write resolutions?

photo credit: HaoJan via photopin cc

A bênção da comunhão

Bread and Wine
Caio Plínio Cecílio Segundo, também conhecido como Plínio, o novo, governador romano da Bitinia, durante a sua regência ente 111 e 112 dC se correspondia regularmente com o imperador Marco Trajano. Numa de suas cartas, o jovem administrador revela uma branda simpatia pelos cristãos. Ele afirma: “Tenho procurado adquirir o máximo de informações possíveis sobre esse grupo. Comissionei espiões a se infiltrarem e a se batizarem, fingindo serem adeptos, a fim de terem acesso sem desconfiança. Verifiquei que eles se encontram regularmente num dia determinado da semana e cantam hinos a Jesus, cultuando-o como Deus. Constatei também que eles sempre leem o seu livro sagrado e compartilham de uma refeição simples constituída de pão e uma mistura de vinho e água (a água, pelo que entendi, tem por função diluir o vinho, a fim de que todos sejam servidos). Por fim, averiguei que há no meio cristão a exortação mútua, a submissão ao nosso governo, e a oração por todos os homens”. (Plínio, Epístola 97, em http://www.fordham.edu/halsall/source/pliny1.html, acesso em 22 de Julho de 2010, tradução e paráfrase minhas).           

            O que impressionou a Plínio foi uma característica peculiar da igreja antiga, certamente algo a ser reproduzido por congregações contemporâneas e promovido por pastores e líderes eclesiásticos. O padrão bíblico para a igreja local é comparado a uma família e não necessariamente a uma corporação. Reuniões frequentes, hinos de louvor e adoração a Jesus, a celebração das duas ordenanças, responsabilidade mútua, e obediência às leis civis; além da produção de novos discípulos e o cuidado com o rebanho, são atividades sem as quais o Corpo de Cristo se torna incapacitado de apresentar um testemunho positivo.  

Esse era o triste caso em Corinto. Através dos relatos de uma família (os da casa de Cloe), o apóstolo Paulo registra que a igreja localizada na região da Acaia não era muito eficiente no quesito comunhão. Por isso ele inicia o segundo parágrafo do capítulo onze de 1 Coríntios com uma severa admoestação. O assunto não é motivo de louvor, mas de repreensão aos leitores (1 Cor. 11:17). O apóstolo reprova a conduta deles na celebração da ceia do Senhor e explica mais detalhadamente as características dessa ordenança. Isso porque ele entendia que a compreensão dessa celebração é fundamental para o amadurecimento espiritual do crente. De igual modo, o pastor que investe tempo e energia em educar a sua congregação em relação a eucaristia tem o doce prazer de acompanhar o amadurecimento de seu rebanho. Consequentemente, o bom testemunho na comunidade será inevitável.

Segundo o modelo paulino, durante a observação da ceia do Senhor, é necessário atentar às condutas a serem evitadas (1 Cor. 11:17-22) e às características a serem enfatizadas (1 Cor. 11:23-34). A primeira atitude reprovada pelo autor da carta é a desunião entre os irmãos. Os cultos nas igrejas em corinto não produziam “o que é melhor”, e sim “o inferior”. O problema a ser corrigido, ele indica, é a existência de facções. Durante os cultos públicos as discórdias na congregação eram evidentes, e certamente causavam uma péssima impressão aos de fora.

A seguir, Paulo explica o real motivo da sua preocupação. Apesar de as tradições terem sido mantidas (1 Cor. 11:2), a postura estava errada (1 Cor. 11:20). Havia quem comesse o pão da ceia antecipadamente por querer evitar a comunhão com as outros grupos. É provável que os de baixa renda tivessem sendo excluídos da solenidade, considerados casta inferior. O apóstolo adverte também àqueles que vinham ao culto com fome, esperando para comer, e aos que se embriagavam durante a eucaristia. A exclusão arbitrária e o abuso do vinho (1 Cor. 11:22) promoviam divisões, e consequentemente uma má reputação entre os não cristãos.

Lamentavelmente, o mesmo problema ocorre em igrejas contemporâneas. A observação religiosa da ceia por parte de muitos, por vezes esconde sérias questões provenientes de um coração egoísta e obstinado. Grupos dissidentes reivindicam causas inúteis e irrelevantes ao bom andamento do Corpo de Cristo (como por exemplo, estilo de música, ou a cor do carpete do santuário) e a união do grupo é comprometida. O pastor sábio deve, portanto, identificar tais tendências e, pela autoridade da Palavra de Deus e com mansidão, instruir os que se opõem à boa comunhão.      

As instruções apostólicas a seguir (1 Cor. 11:23-34) são voltadas à explicação da ordenança instituída por Cristo. Paulo afirma que recebeu as informações a respeito da ceia do Senhor diretamente de Jesus. Ele faz uma breve revisão dos fatos ocorridos na ocasião da noite da traição por parte de Judas, quando os discípulos aprenderam a respeito da nova aliança. Não há nenhuma indicação no texto que os elementos se transformem literalmente no corpo e no sangue de Cristo (noção conhecida por Transubstanciação). O simbolismo representa,  primeiramente, uma celebração da obra redentora na cruz (1 Cor. 11:24-25). Jesus afirma, segundo as palavras de Paulo, que o cálice é o “novo pacto”, ou “nova aliança”. O termo grego aqui (diatêke) denota um testamento que garantia aos herdeiros o recebimento dos benefícios na ocasião morte do benfeitor. Portanto, a ceia, entre outras coisas proporciona uma oportunidade ao crente de se lembrar da gloriosa herança que tem no Senhor.

Em segundo lugar, a ordenança também representa uma ratificação (1 Cor. 11:25). Isso porque a menção de uma nova aliança demanda o entendimento de que há uma testamento antigo. Segundo Jeremias 31:31-34, a nova aliança seria feita com a casa de Israel e com a casa de Judá. Uma das cláusulas desse pacto inclui a redenção nacional de Israel, um evento ainda futuro (que ocorrerá durante a tribulação dos fins dos tempos, descrita em Daniel e Apocalipse), porque o endurecimento de coração da nação é temporário, até que todos os eleitos gentios sejam salvos (Romanos 11:25-26). Embora essa promessa tivesse sido designada a Israel, todos quantos receberam a Jesus têm direito à herança, porque são filhos de Deus, não nascidos do sangue nem da carne, mas da vontade divina (João 1:11-13). Portanto, a ceia do Senhor representa também a garantia da herança reservada ao cristão.

Em terceiro lugar, a ceia é uma proclamação do evangelho. Durante a eucaristia, o visitante tem a oportunidade de ouvir claramente a respeito da cruz e também é exposto à esperança da volta de Cristo. Durante o seu ministério na terra, Jesus anunciou a sua morte e ressurreição, mas também prometeu voltar (João 14:1-3). A segunda vinda do Messias ocorrerá primeiramente para a igreja, no evento conhecido como o arrebatamento (1 Tessalonicenses 4:13-17). Nessa ocasião somente os que estão em Cristo o verão. Esse será um encontro nos ares onde os mortos ressurgirão primeiro. Estar em Cristo, portanto, é, além de ter a presença espiritual de Jesus constante, é ter a esperança da glória (Colossenses 1:26-27).

Em quarto lugar, a celebração da ceia do Senhor promove a oportunidade para uma avaliação (1 Cor. 11:27-32). Além de considerar o passado, ou celebrar a morte redentora de Jesus e o futuro, em esperança do encontro pessoal com Jesus; o cristão, durante a eucaristia, tem um tempo de introspecção. Esse é o momento de restaurar conflitos, perdoar o próximo, e confessar pecados a Deus (não ao sacerdote, ou padre). O líder congregacional deve instruir o seu rebanho quanto essa autoavaliação. O congregante deve, então, certificar-se de que está em Cristo, pois esse é o requisito para a participação da ceia do Senhor. Não há restrições quanto ao batismo ou afiliação a determinadas denominações. Porém, participam da solenidade somente quem é cristão, segundo as instruções bíblicas. Comer do pão e tomar do cálice dignamente não significa perfeição, ou espiritualidade elevada (pois assim, ninguém participaria). Todos os santos são sacerdotes (1 Pedro 2:9). Por essa razão o pastor, o presbítero, o diácono, ou o frequentador que não tem cargo oficial nenhum e/ou que acabou de se converter, devem participar igualmente. A liderança da igreja local só tem permissão bíblica de proibir a participação de alguns no caso de disciplina congregacional (confira 1 Coríntios 5)  . O motivo é que só é “réu do corpo e do sangue de Cristo” aquele que rejeita o evangelho (não há condenação para quem está em Cristo Jesus  – Romanos 8:1).

Em último lugar, segundo o texto paulino, o momento da ceia deve ser o hora de reconciliação (1 Cor. 11:33-34). diferenças, rancores e mágoas devem ser desfeitas. Esse é o motivo pelo qual o apóstolo instrui seus leitores a esperar até que todos sejam servidos. Esse momento representa a união entre os irmãos. Não há classes sociais dentro do Corpo de Cristo. Todos são batizados (colocados “em Cristo”) em um só corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres, e a todos foi dado beber de um só Espírito (1 Cor. 12:13).

Em algumas igrejas, lamentavelmente,  o(s) líder(es) dão a entender que estão num nível elevado de intimidade com Deus. Muitos ensinam que para atingir tal espiritualidade é preciso adquirir uma “segunda bênção” (muitos afirmam, equivocadamente, que isso é o batismo do Espírito Santo, adquirido depois da conversão). A Palavra de Deus, entretanto, afirma que o crente é completo em Cristo, e abençoado com toda a sorte de bênçãos espirituais (Efésios 1:3). Pedro afirma que“o seu divino poder nos tem dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade, pelo pleno conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e virtude” (2 Pedro 2:13 – grifo meu).  

Em dia de celebração da ceia, pastores devem repetir a ordem apostólica. Primeiramente, os presentes devem examinar o próprio coração. Em seguida, contendas  e divisões devem ser eliminadas e reconciliações asseguradas. Por fim, é preciso evitar transformar a ordenança numa liturgia morta, um ritual mecânico. Isso porque a natureza humana tende a inventar regras para que, na observação das mesmas, haja o pensamento equivocado de que o homem é merecedor do favor divino. Isso se chama farisaísmo, ou falsa espiritualidade; algo que Jesus condenou veementemente.

Se Caio Plínio enviasse espiões à muitas congregações evangélicas hoje, o relato não seria tão positivo. Certamente ele registraria uma triste negligência para com as Sagradas Escrituras, motivada pelo medo, por parte de alguns pregadores, da perda de popularidade. O jovem governador se espantaria com a grave similaridade entre a sociedade secular e a igreja. Filosofias ministeriais motivadas pelo desejo por relevância também causariam escândalo ao regente. Por fim, o resumo dos soldados infiltrados certamente incluiria a observação da ceia do Senhor, mas poucos seriam os pastoes identificados por explicarem a bênção da comunhão, parte do significado bíblico dessa ordenança.

photo credit: khrawlings via photopin cc

A bênção da disciplina congregacional

A proliferação de falsas doutrinas tem causado uma indiferênça alarmante para com as Escrituras Sagradas em igrejas evangélicas, que embora mais cheias, têm se tornado cada vez mais tolerantes com o pecado. No meio evangélico o nome genérico disso é “liberalismo”. O lema de tal pensamento é abandonar a Bíblia como divinamente inspirada, proveitosa para ensinar, repreender, corrigir e instruir em justiça (2 Timóteo 3:16) e seguir filosofias humanas no que diz respeito à administração do corpo de Cristo. O resultado é uma nova safra de ministérios perigosamente antropocêntricos, cujos objetivos principais se resumem em jamais ofender o pecador. Líderes de tais ministérios, entretanto, se deparam com um dilema inevitável: Como lidar com os pecados dos membros da igreja? Aparentes soluções são tentativas frustradas de ignorar grande parte da Palavra de Deus, que alertam os leitores quanto à santidade exigida pelo Pai. Muitos decidem simplesmente não mais classificar pecado como algo tão negativo. Por exemplo, em igrejas voltadas à satisfação do homem homossexualismo não é tratado como comportamento aprendido, mas sim como distúrbio genético; adultério é visto como resultado de infância mal resolvida,  idolatria é considerada verdade relativa do idólatra, e avareza é tida como imposição da sociedade ocidental.            

Deus, entretanto, tem uma perspectiva bem diferente. Nas páginas da Bíblia, pecado é corretamente identificados como a infelicidade de “errar o alvo” (do grego hamartia). Felizmente, as instruções sobre como lidar com a transgressão são claras. No quinto capítulo de 1 Coríntios, Paulo identifica na congregação a quem ele escreve, particularmente, o pecado da imoralidade sexual (1 Coríntios. 5:1-8). Além de apresentar graves problemas de divisões, carnalidade, soberba e imaturidade, a igreja em Corinto agora escandalizava até os pagãos da cidade com seu comportamento pecaminoso. Mas o autor  esclarece, sob inspiração divina, o processo e o propósito da disciplina congregacional. Os líderes de Corínto, assim como os leitores futuros da epístola, apascentariam o rebanho de Deus corretamente se seguissem as instruções apostólicas. Consequentemente, o pastor que promove esses princípios no confronto com o pecado de sua igreja, apesar de perder a popularidade, executa com fidelidade a vontade do Sumo Pastor.        

O PROCESSO DA DISCIPLINA CONGREGACIONAL:

Apesar de sua ausência, Paulo recomenda à congregação que o presbitério se reuna em assembléia para confrontar, com amor, o homem que havia cometido o “tamanho ultraje” de possuir a mulher de seu pai (1 Cor. 5:1-3). O escândalo já havia se torrnado público (1 Cor. 5:1), e segundo o contexto, há indicações que o pecador havia sido ao menos comunicado a respeito de sua transgressão. Isso porque Paulo instrui quanto ao próximo passo no processo: a excomunhão, o estágio em que ninguém espera ter de chegar. O fornicador recusava o arrependimento e a igreja negligenciava em agir biblicamente.

A disciplina congregacional, primeiramente instituída por Jesus em Mateus 18:15-17, é totalmente alheia à cultura moderna, onde individualismo é mais importante do que santidade. Para a igreja, porém, ser distinta do mundo não é opcional (Tiago 4:4). Por  isso, qualquer tolerância com o pecado deve ser imediatamente abolida, mesmo que a resolução traga desgaste emocional e físico que normalmente acompanham as críticas, frustrações e acusações (inevitavelmente dirigidas ao pastor).

Deus deseja que o dissidente, embora excluído da congregação local, eventualmente abandone o seu pecado; por isso Paulo espera que “o espírito seja salvo no Dia do Senhor” (1 Cor. 5:5). Embora o crente que vive em pecado corra o risco de morte prematura, por doença venérea ou por execução do estado (como aqui na Califórnia), por exemplo, ele não perde a sua salvação eterna. Entretanto, pode deixar de receber suas recompensas no dia do tribunal de Cristo, além de certamente perder alegria de servir ao Senhor (1 Cor. 3:10-15).

Toda disciplina deve ser aplicada em amor. Vale a pena lelmbrar do velho discurso filsófico dos pais: “Filho, a sova vai doer mais em mim do que em você”. A idéia é disciplinar a quem ama. A Bíblia diz que Deus assim faz com seus filhos. As palavras de Salomão são inspiradoras: “Filho meu, não rejeites a disciplina do Senhor, nem te enojes da sua repreensão; porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem” (Provérbios 3:11-12). Deus deu à igreja a incumbência de disciplinar o crente em pecado.

O PROPÓSITO DA DISCIPLINA CONGREGACIONAL:

O arrependimento do cristão em pecado é o objetivo da disciplina. A ilustração de Paulo e a pergunta retórica em 1 Cor. 5:6 comunicam isso claramente. Da mesma maneira que um pouco de fermento leveda toda a massa, o pecado de um prejudica toda a congregação. A correção (não a punição) é o objetivo deste arrependimento.

É necessário que a igreja aprenda a lidar com o pecado de seus membros de maneira bíblica, pois o crente pecará até o dia de sua morte, ou na ocasião do arrebatamento. Segundo João, “se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça . Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (1 João 1:8-10).

Em uma alusão à festa dos pães asmos o apóstolo diz: “lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa.” Esse festival simbolizava a libertação do Egito para os Israelitas (Êxoldo 12:15-17) e prefigurava também o cordeiro de Deus, que foi crucificado na ocasião da Páscoa. A morte de Cristo representa a libertação do domínio e da condenação do pecado para aquele que crê, pois “não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).

Entretanto, não se pode ser livre da condenação e domínio do pecado por esforços humanos. O próprio Jesus afirma que “se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (João 8:36). Isso significa que somente quem é salvo, devido à presença permanente do Espírito Santo, tem a sabedoria para identificar e evitar tentações. Justamente por saber reconhecer a transgressão, o cristão em pecado deve ser exortado. Mas se insistir em pecar, mesmo depois de ser advertido pela igreja, deve ser disciplinado para que se arrependa e seja restaurado imediatamente. 

As palavras de Jesus à igreja de Tiatira (Aplocalipse 2:18-20) demonstram o quanto a tolerância com o pecado entristesse e ofende a Deus. Cristo glorificado instrui: “conservai o que tendes até que eu venha” (Apocalipse 2:25). A sã doutrina e as instruções bíblicas claras concernentes ao tratamento do pecado são preciosidades nas mãos do líder eclesiástico.

Embora a popularidade da disciplina congregacional tenha diminuído ao longo dos anos, a eficácia do método não deve ser discutida. O pastor que a evita implantar em sua igreja, por receio do conflito, traz grandes prejuízos espirituais ao seu rebanho.

Liderança pastoral e liberdade cristã

Muitos imaginam que o propósito da liberdade cristã  é o benefício pessoal do homem. A Bíblia constata que, de fato, a terra foi criada sob medida para a raça humana, que é a excelência da criação, criados segundo a imagem e semelhança do Criador. Gênesis revela que Adão foi comissionado a exercer o domínio sobre a terra e as outras criaturas. Entretanto, alguns acreditam (e ensinam) que a razão de existir do universo é antropológica. Estes alegam que, filosoficamente falando, o homem é o centro do universo, e que a glória de Deus é um objetivo secundário.

Essa visão exagerada faz com que muitos creiam que é possível manipular o universo, e/ou o mundo espiritual com palavras, para o próprio benefício. É criado, então, um sistema filosófico extremamente egocêntrico (conceito completamente alheio às Escrituras Sagradas) e ofensivo a Deus. Infelizmente, tais crenças são propagadas dos púlpitos de igrejas intituladas evangélicas. Por exemplo, um escritor cristão muito influente no Brasil recomenda que seus leitores “visualizem” o objeto, ou posição/status desejado, até que aquilo seja gerado dentro da mente; a partir daí, o crente precisa “receber” a promessa.[1] É fundamental, segundo outros autores que promovem esse engano, que o crente se imagine dirigindo o carro novo (caso essa seja a possessão desejada), ser específico quanto aos opcionais, cor, modelo, e ano e passar a “declarar” a posse do automóvel. A partir de então, Deus, supostamente segundo a fé do fiel, manipulará o universo a favor do mesmo, segundo as exigências feitas nas orações. A vontade divina é geralmente ignorada e qualquer resposta inferior àquilo exigido é considerada falta de fé!  

            Tal filosofia de ministério emerge de uma visão perigosamente simplificada do Deus Todo-Poderoso. Obviamente, uma leitura consistente da Palavra de Deus revela que misticismo não é capaz de produzir verdadeira espiritualidade. O crente não tem o poder para manipular o mundo espiritual e nem é instruído a arrogantemente ordenar bênçãos de Deus. Isso porque nem mesmo o propósito da salvação é primeiramente a glorificação do homem. Toda a criação existe, segundo a Bíblia, para um único propósito: glorificar a Deus. Assim afirmam o salmista (Salmos 19:1), o profeta (Isaías 43:6-7), e o apóstolo (Efésios 1:3-6, Colossenses 1:16).

Justamente para evitar que seus leitores adotassem uma filosofia de vida antropocêntrica, Paulo termina o capítulo dez de sua primeira epístola aos coríntios com o verso-chave que resume a essência da liberdade cristã: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Cor. 10:31). É imperativo que pastores ecoem essas palavras a seus rebanhos. Isso porque a soberania humana tem sido cada vez mais propagada dos púlpitos do mundo, principalmente daqui dos EUA, e a causa tem feito adeptos com uma rapidez alarmante. O líder comprometido com a mensagem bíblica, entretanto, deve identificar tais heresias e proteger sua congregação das mesmas, explicando como lidar biblicamente com interesses próprios, alheios, e divinos. Tal esclarecimento está registrado em 1 Coríntios 10:23-33.

A busca incansável por conforto e satisfação pessoal é incompatível com as Escrituas Sagradas. Vontade própria é irrelevante no processo da obediência ao verso citado acima. Consequentemente, autonegação é essencial para o amadurecimento cristão. Paulo ordena aos coríntios que: “Ninguém busque o seu próprio interesse, e sim o de outrem” (1 Cor. 10:24), e aos Filipenses:“não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros” (Filipenses 2:4). Porém, o maior exemplo de renúncia de interesses próprios foi dado por Jesus. O propósito de vida do Mestre não foi ser servido, mas dar a sua vida em resgate de muitos (Marcos 10:45). Deus é glorificado quando seus servos abdicam de seus direitos, vontades e desejos tendo em vista, não a edificação própria, mas a do corpo de Cristo (1 Cor. 10:23). O pastor que não exorta sua igreja assim perde a oportunidade de promover um amadurecimento saudável em sua congregação, que ocorrerá mesmo que alguns irmãos deixem o ministério.

O propósito da liberdade cristã, ao contrário do que muitos pensam, não é licenciar o crente a agir segundo a sua própria vontade, buscando seus objetivos pessoais. O autor de 1 Coríntios, além de explicar que o altruísmo é vital para a obtenção de verdadeira espiritualidade (1 Cor. 9), exemplifica esse princípio em sua conduta. Ele afirma que procura, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos (1 Cor. 10:33). De fato, a maior necessidade do homem é a de salvação, pois já nasce morto em seus delitos e pecados (Efésios 2:1) e, consequentemente separado de seu Criador (Rom. 3:23). Promessas questionáveis em relação à sucesso e prosperidade aqui na terra podem trazer popularidade a quem as faz, mas não retrata a mensagem nem o modelo apostólicos. O pastor fiel deve estar disposto a se sacrificar pelo seu rebanho, caso contrário deve reconsiderar o seu ofício. Planos pessoais em transformar a igreja em fã-clube devem ser abandonados. A tentação em diluir o evangelho com elementos de autoajuda deve ser resistida a qualquer custo. A congregação, então, ouvirá uma mensagem ofensiva à mente humana, e que faz demandas morais aos ouvintes (de fato, loucura aos que se perdem), porém, exclusivamente qualificada para produzir verdadeiras conversões – poder de Deus aos que são salvos (1 Cor. 1:18).

Finalmente, os leitores de Paulo deveriam compreender que a liberdade do crente tem por finalidade promover os planos divinos, dentre os quais, a salvação de muitos (1 Cor. 10:33), ocupa lugar de destaque. Pedro, em sua segunda epístola, explica que a longanimidade de Deus é o grande motivador desse desejo (2 Pedro 3:9). Entretanto, o interesse divino mais negligenciado pela igreja é o evangelismo. Estima-se que apenas dois por cento dos crentes compartilha o evangelho com vizinhos e amigos aqui nos EUA.[2] Dessa porcentagem, sabe-se lá quantos anunciam a mensagem bíblica e não uma uma falsa imitação desenvolvida para satisfazer a tolerância do homem com o seu pecado. O pregador que se considera um embaixador de Cristo deve se esforçar para executar a vontade daquele que o chamou. Para isso, revisões de suas práticas de evangelismo (e o ajuste de eventuais incompatibilidades com a mensagem bíblica) devem ser efetuadas periodicamente.

A Palavra de Deus é clara quanto à essência da liberdade cristã. A glória de Deus, e não a do homem, deve ser o objetivo de todo seguidor de Jesus. Consequentemente essa deve ser a mensagem e o modelo de todo pastor às suas congregações.         


[1] David (Paul) Yonggi Cho em: A Quarta Dimensão

[2] Ray Comfort e Kirk Cameron em: The Way of the Master.